Um Porto ciclável.

Share Button

Seis propostas para promover a utilização de bicicletas na cidade.
Numa cidade ciclável, dependendo das características, até aproximadamente 8 Km a bicicleta é o meio mais rápido de transporte. Um Porto mais ciclável seria um Porto com mais e melhor mobilidade, menos sinistralidade viária, mais qualidade de vida, melhor ambiente e melhor saúde pública. Todos estas áreas são importantes na vida das pessoas do Porto e devem ser alvo de intervenção municipal ativa e integrada e não de medidas avulsas e de enfeite para autopromoção do executivo. Por isso, apresentamos um conjunto de 6 propostas com vista a aumentar o uso da bicicleta no transporte diário na cidade.

#1
Um outro papel para a bicicleta na cidade

A utilização da bicicleta numa cidade como o Porto não tem de conflituar com outros modos de transporte. Nem é necessário criar vias dedicadas à bicicleta, a não ser em alguns arruamentos específicos. O que é preciso é outro entendimento pelo município da importância da bicicleta na cidade. A coexistência de bicicletas e carros na circulação rodoviária pode ser melhorada com a instalação de semáforos para bicicletas e com a colocação do símbolo da bicicleta nas vias de trânsito.

#2
Articular transportes públicos e bicicletas

A utilização da bicicleta como modo de transporte deve estar associada à rede de transportes públicos da cidade. Para promover a conjugação dos transportes públicos com a utilização da bicicleta propomos a instalação de suportes exteriores nos autocarros da STCP para o transporte de bicicletas nas carreiras de longo curso (para a Maia, Matosinhos, etc.) e nas carreiras que fazem as ligações em grande declive (p.ex. os que vêm da Foz ou da Ribeira para o centro). Bicicletários devem ser instalados em estações de metro e de autocarro com elevada utilização para que se assegure a necessária intermodalidade bicicleta/autocarro/metro.

#3
Reativação dos elevadores da ponte da Arrábida

Tendo a cidade do Porto um acentuado desnível entre a marginal do rio Douro e o centro da cidade, a Câmara Municipal do Porto deve bater-se pela reativação dos elevadores instalados na ponte da Arrábida e incluí-los na rede de transportes públicos da cidade (rede Andante). Ao contrário do que agora acontece no funicular dos guindais, nestes dois equipamentos, devem poder ser utilizados os dois bilhetes Andante (assinatura e títulos ocasionais) para que tenham preços acessíveis aos munícipes. Com esta medida, a mobilidade dos munícipes seria profundamente melhorada e os percursos de bicicleta seriam facilitados.

#4
Segurança na circulação rodoviária e acalmia do trânsito

Uma via mais segura e mais lenta, dentro da cidade, promove o uso da bicicleta contribuindo assim para uma melhoria substancial da qualidade de vida, do ambiente e da saúde pública. Para que esta segurança se concretize propomos a instalação de lombas e outros meios de acalmia do tráfego com vista a uma melhor convivência entre bicicletas, peões e carros na via pública.

#5
Bicicletários decididos pela população

Uma cidade ciclável não pode deixar de ter locais seguros e práticos para guardar as bicicletas próximo de todos os seus serviços públicos, nomeadamente, escolas, juntas de freguesia, repartições de finanças, segurança social, etc. Os locais concretos de instalação devem ser decididos pela população, através por ex. duma plataforma online aberta à decisão cidadã.

#6
Campanhas de divulgação e sensibilização

A Câmara Municipal deve apostar em campanhas de sensibilização nas escolas e nas associações jovens para que adquiram hábitos de deslocação em bicicleta. Devem também ser usados os espaços de divulgação camarários (outdoors p.ex.) para promover a utilização dos transportes públicos ou das bicicletas em vez de fazer propaganda política ao executivo. Poderão também ser disponibilizados mapas (físicos ou online) com pontos onde se alugam bicicletas assim como rotas menos inclinadas e opções para ciclistas.