Notícias

Reabilitação urbana precisa-se!

Share Button

Reabilitação urbana precisa-se

Dia 26 de Setembro voltamos a focar a reabilitação urbana. Não queremos o modelo de reabilitação feito pela SRU ao longo destes anos. Aqui podes ouvir declarações do José Soeiro sobre este tema nesta ação. E aqui podes ler a notícia do P24.

Para ver mais fotos da ação aqui

Da Batalha a Santa Catarina, juntou-se um mar de gente.

Share Button

Da Batalha a Sta Catarina juntou-se um mar de genteArruada e Mini-Comício com Catarina Martins, José Soeiro, João Teixeira Lopes, Francisco Louçã, entre outras e outros.

Mais fotos deste momento de reta final da campanha aqui

Queremos uma cidade acessível

Share Button

Queremos uma cidade acessível
Dia 26 de Setembro de manhã, fizemos uma ação dedicada à acessibilidade. A cidade não está preparada para todas e todos, queremos que o Porto não coloque entraves à vivência e circulação na mesma. Como bem salienta o Movimento (d)Eficientes Indignados, “é-lhes negada a fruição da cidade e o direito a uma vida autónoma e independente, “porque o espaço público e os edifícios são uma sucessão de barreiras físicas ao exercício dos seus direitos”. Já nos comprometemos a alocar 2,8% do orçamento camarário para despesas de aquisição de bens e serviços e aquisição de bens de capital, para aplicação em obras de adaptação do espaço público e edifícios sob gestão camarária. Uma cidade que exclui alguns cidadãos não é livre, não é democrática, não é solidária, não queremos essa cidade.

Queremos uma cidade acessível

Queremos uma cidade acessível

Dia dedicado à cultura

Share Button

Dia dedicado à cultura

No dia 25 de Setembro, tivemos um dia dedicado à cultura, com apresentação das propostas para esta área. Visitámos o Museu das Marionetas, o Espaço Fábrica e o Teatro do Bolhão. Conversámos com atores e responsáveis por estes equipamentos.

aqui a notícia do P24 sobre esta ação.

Dia dedicado à cultura
Dia dedicado à cultura

Dia dedicado à cultura

Cartazes com as nossas propostas

Share Button

Cartazes com eixos programáticos pela cidade

Na segunda e durante esta semana, estivemos a colar pela cidade cartazes com os nossos principais eixos e com propostas concretas no que concerne cada um dessas áreas prioritárias. Queremos reabilitar o Porto. Casas a preços acessíveis.; Devolver os equipamentos públicos à cidade; Revolução cidadã. Mais democracia.; Responder à crise social.

907032_650872364946149_737122494_n

907617_650872414946144_1227931949_n

911822_650872231612829_1090429446_n

1241711_650871991612853_1828808490_n

1305330_650871828279536_86539749_n
1369012_650872644946121_712994202_n

1370318_650872304946155_64586966_n

1371177_650872294946156_1002397618_n

1371259_650872441612808_1297550601_n

1376200_650871954946190_1449398225_n

Cartazes com eixos program´ticos pela cidade

Nós abstemo-nos, eles agradecem

Share Button

Nós abstemo-nos, eles agradecem!

Dedicamos o dia 24 de Setembro para uma intervenção de arte urbana sob o tema da abstenção.
“O populismo agradece a abstenção. As outras candidaturas têm redes clientelares instaladas e posições estabelecidas, a abstenção favorece quem tem governado” Vejam o resto da notícia sobre a ação aqui.

Nós abstemo-nos, eles agradecem!

Nós abstemo-nos, eles agradecem!

Nós abstemo-nos, eles agradecem!

Nós abstemo-nos, eles agradecem!

Nós abstemo-nos, eles agradecem!

Nós abstemo-nos, eles agradecem!

Nós abstemo-nos, eles agradecem!

Visita Ceta Social

Share Button

Visitamos na manhã de 23 de Setembro as instalações do CETA Social, onde relembramos que esta é uma faixa da população que é das mais afetada pela crise social que vivemos, pelo corte das pensões, que é ao mesmo tempo acompanhado pelo encarecimento de bens e serviços essenciais, assim como aumento em despesa médica e necessidade de apoio específico. De notar especialmente que as pessoas que usufruem das instalações que visitamos (e que têm cerca de 3 anos) não têm qualquer apoio da segurança social, sendo que um outro lar, gerido por uma paróquia, que ainda não abriu, mas já tem um acordo assinado. Por fim, dizer que no distrito do porto a Segurança Social é dirigida por Sampaio Pimentel, dirigente do CDS que integra a lista de Rui Moreira, e claramente não tem tratado todas e todos da mesma forma.

Intervenção séria nas ilhas

Share Button

Na ilha da lomba
No Domingo, 22 de Setembro dedicamos a tarde às ilhas da cidade.
Este Domingo estivemos na ilha da lomba para apresentarmos as propostas para as cerca de 700 que existem na cidade do Porto. As condições de degradação e a falta de resposta a este nível exigem uma resposta séria para garantir o mínimo de dignidade para as pessoas que aqui vivem. Propomos que a câmara deve apoiar a requalificação destas ilhas em meio milhão de euros e reforçar as acções inspectivas para exigir condições mínimas de habitabilidade. Mais sobre a visita aqui.

Esta tarde contou com a visita à ilha, e posteriormente com discursos da candidata e candidato à junta do Bonfim Amarante Abramovici e José Gonçalves, da candidata à junta de freguesia de campanhã Elsa Silva, da Luísa Amaral e José Soeiro. Contamos também com as intervenções de uma moradora e música de José Silva e Filomena Gigante.
Lê o texto da Regina Guimarães feito em específico para esta intervenção sobre o que é o desleixo relativo às ilhas, e a necessidade da sua conservação.

Na ilha da lomba

Na ilha da lomba

Na ilha da lomba

Na ilha da lomba

Na ilha da lomba

Na ilha da lomba

Na ilha da lomba

Na ilha da lomba

Na ilha da lomba

Na ilha da lomba

Na ilha da lomba

Na ilha da lomba

Na ilha da lomba

Para a despoluição do Rio Douro

Share Button

No Rio Douro

O Sábado, 21 de Setembro, foi dia dedicado ao Rio Douro e zona ribeirinha, onde defendemos uma resposta intermunicipal em conjunto com Gaia e Gondomar para a despoluição do Rio Douro.

Começou com um almoço na Ribeira, com um grupo de pessoas daí. Em seguida juntámo-nos na viagem de barco que vinha já de Gaia para tratar o tema da despouluição do Rio Douro.
No nosso programa defendemos que um Porto com qualidade de vida passa por equilibrar paisagem natural e área construída, tornar as infraestruturas eficientes do ponto de vista energético, promover atividades com baixo teor de carbono, despoluir o Douro, proteger as áreas verdes da cidade, incentivar formas de ocupação como as hortas urbanas. É proteger espaços e equipamentos, desde a rede hidrográfica do concelho ao tratamento de resíduos.

Fizemos uma visita de barco no rio Douro em conjunto com as candidaturas do Bloco de Esquerda de Gaia e Gondomar para falarmos sobre as propostas em conjunto para a despoluição do rio. A notícia sobre esta ação pode ser lida aqui

No Rio Douro

Almoço na Ribeira

Almoço na Ribeira

Almoço na Ribeira

Almoço na Ribeira

Almoço na Ribeira

100 propostas para o Porto em tópicos

Share Button

100 propostas para o Porto

Uma cidade democrática: revolução cidadã para aprofundar a democracia
1 – Promover orçamentos participativos.
2 – Fazer referendos locais.
3 – Promover a transparência das decisões tomadas pela autarquia. Divulgar toda a informação e documentos da Câmara sobre despesas e receitas, contratações, concursos e ajustes diretos.
4 – Envolver os cidadãos na identificação e elaboração de decisões municipais.
5 – Permitir que grupos de cidadãos possam fazer propostas diretamente à Câmara e à Assembleia Municipal.
6 – Abrir as reuniões da Câmara e da Assembleia Municipal à população.
7 – Envolver a população no planeamento urbanístico.
8 – Aplicar uma nova visão sobre a revista municipal, que fomente a participação cidadã e a pluralidade.
9 – Combater a infoexclusão: net gratuita nos espaços públicos da cidade.
10 – Lutar pela manutenção do Centro de Produção do Porto da RTP na cidade e pela disponibilização da RTP Informação na TDT.
11 – Utilizar software livre nos serviços camarários e em empresas municipais.
12 – Continuar a investir na desmaterialização de processos, com os consequentes ganhos ambientais e poupança.
13 – Estabelecer como limite de remuneração para os cargos de nomeação política o vencimento do Presidente da Câmara e combater a ocupação de funções por mero vínculo partidário.

Uma cidade habitada, com urbanidade e com memória
14 – Criar mais habitação, mais oferta pública, a preços acessíveis.
15 – Punir a especulação imobiliária com agravamento do IMI para casas devolutas e em ruínas.
16 – Investir metade do IMI – 25 milhões de euros – na a reabilitação.
17 – Reduzir o valor das rendas municipais e suspender os despejos.
18 – Revogar o “Regulamento do Parque Habitacional do Município” e combater a Lei das Rendas.
19 – Garantir que todas as zonas do Porto serão bem servidas de transportes públicos.
20 – Apoiar as associações de moradores e criar um elo direto na Câmara.
21 – Criar a figura do Provedor do Inquilino Municipal.
22 – Requalificar as ilhas e promover a habitação no centro da cidade.
23 – Criar equipas multidisciplinares de mediação entre os técnicos e os cidadãos, para eliminar barreiras linguísticas.
24 – Requalificar a habitação no centro histórico de modo inclusivo.
25 – Requalificar e manter o Bolhão como mercado de frescos.
26 – Suspender a venda de património municipal.

Uma cidade com mobilidade
27 – Aumentar os corredores BUS, poupando 3 milhões de euros por ano.
28 – Lutar por uma gestão pública da STCP, com participação maioritária dos municípios.
29 – Retomar o passe social.
30 – Valorizar o elétrico.
31 – Alargar horários dos autocarros e do metro à noite e ao fim de semana.
32 – Garantir estacionamento para moradores e aplicar as receitas de estacionamento em medidas de mobilidade inclusiva para todas as pessoas.
33 – Envolver a população na resolução dos problemas de mobilidade na cidade.
34 – Criar condições para um Porto ciclável.
35 – Articular transportes públicos e bicicletas.
36 – Criar bicicletários decididos pela população.
37 – Reativar os elevadores da ponte da Arrábida.
38 – Reativar o transporte fluvial.
39 – Lutar pelo alargamento do Metro através de uma linha circular.
40 – Valorizar as ligações no âmbito Noroeste Peninsular.

Responder à crise social
41 – Combater o isolamento e promover o contacto intergeracional.
42 – Garantir pequeno-almoço para todas as crianças nas escolas.
43 – Suspender os cortes de água e de luz, quando resultam de situações de carência.
44 – Desenvolver um programa no âmbito da economia social, solidária e cooperativa e de incentivo à criação de emprego local.
45 – Redimensionar a rede de balneários públicos, assegurando uma distribuição equilibrada pelo território da cidade.
46 – Criar um programa de hortas comunitárias em terrenos do município desocupados ou subaproveitados.
47 – Criar centros comunitários nos bairros sociais e outras zonas prioritárias de intervenção social, com equipas técnicas multidisciplinares.
48 – Criar uma rede de restaurantes sociais, que forneça refeições a preços simbólicos, num ambiente acolhedor.

Uma cidade da arte e da cultura
49 – Redefinir o Teatro Rivoli como equipamento municipal.
50 – Estabelecer acordos, com estruturas e criadores, para promover a programação regular e a participação popular em todo o território da cidade.
51 – Valorizar o cinema. Recuperar o cinema Batalha e outros equipamentos.
52 – Fazer programação regular em espaços públicos, incluindo os menos centrais.
53 – Criar programação para os coretos da cidade, estabelecendo protocolos com as escolas de música e bandas da cidade.
54 – Colaborar ativamente com o Teatro Nacional S. João, a Casa da Música, o Museu Serralves e outros equipamentos.
55 – Resolver os problemas adiados da Casa da Animação, da Casa Manoel de Oliveira e da Casa das Artes.
56 – Alargar os horários das bibliotecas.
57 – Valorizar o património monumental e humano, integrando e fomentando a participação das associações locais.
58 – Criar e distribuir, em grande escala, uma agenda dos eventos artísticos na cidade.
59 – Incentivar a criação de conteúdos infanto-juvenis pelo centro de produção do Porto da RTP.
60 – Promover serviços de babysitting e a existência de departamentos educativos nos equipamentos culturais.
61 – Reabrir o Museu de Etnografia.

Uma cidade aprendente
62 – Desenvolver e aplicar políticas educativas a favor da escola pública.
63 – Promover atividades socioeducativas, dentro e fora da escola.
64 – Valorizar e utilizar o património científico da cidade, criando parcerias com a Universidade e o Politécnico.
65 – Disponibilizar equipamentos sociais e escolares, como bibliotecas e recreios, à população em horários não letivos.
66 – Dinamizar um conselho municipal de educação participado.
67 – Impulsionar respostas integradas de apoio às famílias e de promoção do sucesso escolar.
68 – Respeitar a opinião e a participação das crianças e dos jovens na cidade.

Uma cidade viva: promover o emprego e apoiar o comércio
69 – Acabar com os contratos precários na autarquia e exigir às empresas com quem contratualiza a garantia de que não recorrem ao trabalho precário.
70 – Requalificar ruas, praças e outros espaços onde existe comércio.
71 – Melhorar a resposta municipal aos pedidos de licenciamento.
72- Regular os horários das grandes superfícies.
73 – Apoiar a modernização dos estabelecimentos comerciais.
74 – Criar um Conselho Municipal Económico e Social.
75 – Afetar um terço da derrama – imposto sobre as empresas que têm lucro – à dinamização da atividade económica local.
76 – Promover os ofícios tradicionais.
77 – Associar-se à reivindicação da diminuição do IVA na restauração.

Uma cidade que valorize a sua identidade e apoie o turismo
78 – Desenvolver roteiros turísticos, valorizando o nosso património arquitetónico.
79 – Reabrir o Solar do Vinho do Porto e promover a adesão da cidade à Rede de Municípios ligados ao Vinho.
80 – Criar um Parque de Campismo Municipal.
81 – Apoiar a atividade noturna, conciliando-a com o respeito pelos moradores e moradoras.
82 – Valorizar o São João como grande festa da cidade.

Uma cidade que combate as discriminações
83 – Criar informação adequada a todas as faixas etárias e grupos sociais.
84 – Garantir a todas as pessoas, com especial atenção às pessoas com deficiência, condições de mobilidade e acessibilidade aos equipamentos.
85 – Incentivar associações ou grupos informais promovidos por e/ou para idosos.
86 – Promover ações de sensibilização contra a discriminação em função da orientação sexual ou da identidade de género.
87 – Apoiar associações de imigrantes e promover o diálogo intercultural.
88 – Implementar o plano municipal para a igualdade de género.
89 – Construir um tanatório (instalação não religiosa para a realização de serviços fúnebres).
90 – Promover uma cidade responsável face à desinserção e à marginalidade, através de ações concertadas com as redes sociais da cidade.

Uma cidade com qualidade de vida e que respeita o ambiente
91 – Melhorar a qualidade do ar. Redução do número de veículos pesados em circulação e criação de ruas pedonais.
92 – Apresentar, com regularidade, o relatório sobre o estado do ambiente acústico.
93- Elaborar o Plano Municipal de Redução do Ruído.
94 – Promover um plano de combate à sinistralidade rodoviária.
95 – Aumentar os espaços verdes para 20m2 por habitante e recuperar os existentes.
96 – Identificar os problemas associados aos animais de rua para melhor intervir.
97 – Converter o canil municipal num centro de bem-estar e de proteção de animais de rua.
98 – Promover o conceito de gatos municipais e de cães comunitários.
99 – Criar espaços e serviços do município para os animais domésticos.
100 – Combater o uso dos animais como objeto recreativo em espetáculos que impliquem sofrimento.