Cabeça de lista à união de freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde

Share Button

Maria Esmeralda Correia Mateus, 61 anos, 9º ano de escolaridade.
De toda a sua intervenção, destaca-se a actividade como Presidente da Associação Comissão de Moradores do Bairro de Aldoar, no seu trabalho com as crianças, com as mulheres, com as jovens, com os doentes, com as famílias, com especial incidência nas mais carenciadas, procurando, por todos os meios ao seu alcance e contra todas as dificuldades com que se depara, os apoios necessários para que todos — especialmente as crianças — possam viver mais condignamente.
Com as crianças, a sua atenção tem sido no sentido de conseguir que elas possam participar em todo o tipo de actividades que sejam úteis para a sua formação e que também lhes proporcionem algum bem-estar e experiências positivas, para aprenderem a confiar na vida e a lutarem para conseguirem viver melhor. Actividades desportivas, culturais, de animação, são sempre bem-vindas, tentando que todas as crianças possam participar e usufruir destas actividades favorecendo o seu crescimento e desenvolvimento.
Desde 1987, exerce o cargo de Presidente da Associação de Moradores do Bairro de Aldoar. Enquanto Presidente e activista desta Associação de Moradores de um bairro social extremamente carenciado, como é o Bairro de Aldoar, tem desenvolvido esforços no sentido de melhorar as condições de vida e de habitação no bairro. As grandes preocupações centram-se na procura de habitação condigna para todos, na melhoria das habitações existentes, no acompanhamento das crianças para uma melhor intervenção comunitária no sentido de os apoiar para virem a ser cidadãos e cidadãs de plenos direitos, no apoio às famílias doentes e às pessoas portadoras de deficiência, tentando conseguir os apoios necessários para viverem o mais condignamente possível.
Desde 2005, Membro da Assembleia da Freguesia de Aldoar. Nesta qualidade, procura interpretar os anseios da população de Aldoar, sobretudo dos mais carenciados.
Desde 2004, Vice-presidente da Comissão de Utentes do Posto de Saúde de Aldoar. Nesta Comissão, tem desenvolvido esforços em conjunto com todos os seus membros, no sentido de melhorar os cuidados de saúde à população da Freguesia.
Entre 1974 e 1986, Dirigente Sindical do Sindicato da Indústria das Conservas do Norte do País. Nesta actividade, centrou a sua acção na melhoria das condições de trabalho e de salário dos trabalhadores, em particular, das mulheres trabalhadoras.
Desde 1977, Sócia Fundadora da UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta.
Membro activo desta associação, participando nas mais diversas lutas pelos direitos das mulheres (alfabetização, habitação, creches, direito ao emprego e salário igual, despenalização do aborto, luta contra a discriminação das mulheres, luta contra a violência e exclusão social).
Colabora, ainda actualmente, nos projectos de intervenção na escola e na comunidade, na Freguesia de Aldoar.
Assim, como associada da UMAR, as actividades em prol dos direitos das mulheres têm estado sempre presentes na sua actividade, procurando ajudar cada mulher, cada menina e cada rapariga, a encontrar o caminho para serem cidadãs de pelo direito. Neste sentido, tem participado em todas as lutas que atravessaram os movimentos de mulheres deste país: a luta pelas creches, por melhores salários, pelo salário igual para trabalho igual, pelo direito ao trabalho, pela contracepção e IVG, contra a violência, enfim, pela concretização da igualdade de direitos para todas as mulheres.
O seu activismo e a sua luta pelos direitos dos mais carenciados e pelos direitos das mulheres é amplamente reconhecido, de salientar:
A sua participação, em 2005, em Bruxelas, representando a UMAR no Seminário Europeu “Abortion – making it a right for all women in the European Union”, intervindo no ponto “Turning Women into criminals”.
A sua participação, em 2007, como oradora numa aula da disciplina “Novos Movimentos Sociais Enquanto Espaços Educativos” do Mestrado Comunicação Linguagem e Educação Intercultural, da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto, sob o tema “O que se aprende participando nos movimentos sociais”
Foi condecorada, em 2008, com a Medalha de Mérito Social, pela Câmara Municipal do Porto.
Foi homenageada, em 2008, com o Troféu de Mérito Social, pela Associação das Colectividades do Porto.
Foi homenageada, em 2010, tendo recebido uma Salva de Prata, pela Umar, por mais três décadas activista social feminista.

Porque te meteste nisto?

Eu falo sempre da mesma coisa, moro num bairro social da cidade, em Aldoar, sou a Esmeralda Mateus, e simplesmente faço o meu trabalho no bairro de Aldoar, mas vêm ter comigo dos outros bairros para tratarem dos mesmos assuntos. Sou sempre a mesma mulher a lidar com as mesmas pessoas da câmara, e sou uma mulher revoltada sobre a situação em que se encontra a nossa cidade. Era bom que se virasse o Porto ao contrário, que seria realmente um Porto para todas e todos. Mas não é! Ordens de despejo, cortes de água, cortes de luz. As pessoas não têm água para lavar as crianças, nem luz. E não há trabalho. Não é só no meu bairro, é nos 49 bairros sociais em que eles fazem o que querem.

O meu trabalho é, trabalhar pelo meu sustento de manhã, e pela comunidade á tarde. A minha alegria é lutar pelos outros. Trabalho dia-a-dia nos bairros sociais, não só no meu, mas nos 49 bairros do Porto. Estou aqui para ajudar o Zé e para andar com o Zé nos bairros sociais.

Esmeralda Mateus

Cabeça de lista à junta de freguesia de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde